+55(21)972793930contato@copaverao.com.br

A escolha da sede da Copa do Mundo é feita, em média, seis anos antes do evento acontecer. Desde a década de 90, a Federação Internacional de Futebol (FIFA) instituiu que seria feito um revezamento entre as seis confederações de futebol, para acabar com a alternância entre Américas e Europa, que vigorava desde os anos 50. Assim, há sempre um rodízio entre Confederação Asiática de Futebol (AFC), Confederação Africana de Futebol (CAF), Confederation of North, Central American and Caribbean Association Football (CONCACAF), Union of European Football Associations (UEFA), Oceania Football Confederation e Confederação Sulamericana de Futebol (CONMEBOL). Por isso, como a Copa de 2010 será na África do Sul e a de 2014 no Brasil, países da África e da América do Sul não poderão se candidatar como sedes para 2018.

Para que um país sedie uma Copa do Mundo, a FIFA exige que ele possua pelo menos 12 campos de futebol, com capacidade mínima para 40 mil pessoas. O estádio da final deve ter pelo menos 80 mil lugares (a regra passa a valer para 2018, até então, a exigência era de 60 mil assentos). Também é importante que exista capacidade de transmitir o evento para as TVs de todo o mundo, tecnologia para suportar o grande volume de troca de informações (por internet e telefone), infraestrutura de transportes e acomodação. Para ter certeza de que o país atende às exigências, fiscais da FIFA visitam os candidatos. Depois, há uma eleição entre os membros da comissão da federação. Se o país conseguir mais de 50% dos votos, é escolhido para receber a Copa. O processo para a escolha do Brasil como sede começou em 2003, quando ficou decidido que algum membro da CONMEBOL sediaria o evento. Colômbia, Argentina e Brasil foram indicados. Mas, em 2006, a confederação decidiu que apresentaria o nosso país como único candidato. Sem ter concorrentes, só seria necessário atender às exigências da FIFA. Depois da visita dos fiscais, em 2007, foi anunciado que a Copa de 2014 acontecerá em terras brasileiras. Já em maio de 2009, foram anunciadas as 12 cidades que sediarão os jogos: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Curitiba, Salvador, Recife, Natal, Fortaleza, Manaus e Cuiabá.

Ainda faltam cinco anos para o evento mas, até lá, muito tem de ser feitos. Segundo a FIFA, nenhum dos estádios brasileiros atende às condições de infraestrutura e acessibilidade. Ou seja, todos terão de ser reformados. As cidades também precisarão aumentar a capacidade de alguns aeroportos, melhorar o sistema de transporte e hotelaria. Mas a promessa é de que todo o investimento que será feito vai se transformar em benefício para a população. “A Copa é o maior evento esportivo do mundo. Assim, a partir de 2011, o Brasil vai ser o centro das atenções de toda a mídia mundial. Isso nos dará a oportunidade de divulgar o potencial do país, atraindo mais investimentos. Outro aspecto é que vamos ter um legado importante. A infraestrutura que será montada para esse evento ficará para a população e garantirá um Brasil melhor, principalmente nas cidades-sede”, afirma Claury Santos Alves da Silva, secretário do Esporte, Lazer e Turismo do Estado de São Paulo. Até 2013, o governo promete investir 33 milhões em transporte coletivo e melhoria do sistema viário. Além disso, ainda haverá mais investimentos do governo federal, que deve reformar os aeroportos. O secretário também assegura que o evento vai gerar muita renda para o país, “a previsão é de que virão para cá cerca de 600 mil turistas, gastando uma média de 300 reais por pessoa por dia durante todo o mês da Copa”.

Recent Posts
Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.